Covid-19: Conselho Nacional de Igrejas repudia declarações de Bolsonaro

O CESEEP – Centro Ecumênico de Serviços à Evangelização e Educação Popular APOIA e RATIFICA o CONIC – Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil, do qual é Membro Fraterno, em sua manifestação de REPÚDIO ÀS DECLARAÇÕES DO PRESIDENTE JAIR BOLSONARO no dia 24/03/20 pedimos que a divulguem em suas redes sociais/digitais, para o maior número possível e pessoas, grupos, comunidades e movimentos sociais.

SEGUE NOTA DO CONIC 

Nossos ossos se secaram e nossa esperança desvaneceu-se;
fomos exterminados (Ez. 37:11b)

Na noite do dia 24 de março, o Brasil acompanhou o pronunciamento do presidente da República, Jair Messias Bolsonaro.

Em um momento de insegurança, incertezas e temor, a palavra que se esperava ouvir era de conforto e de medidas efetivas do Estado brasileiro para que a população mais vulnerável (pessoas idosas, com doenças pré-existentes, trabalhadores e trabalhadoras informais, pessoas em situação de rua, mulheres, grupos LGBTIQ+, camponeses e camponesas sem-terra, sem-teto, indígenas e quilombolas) pudesse encontrar, no líder máximo da nação, orientações seguras para o enfrentamento da atual crise sanitária e econômica.

No entanto, o que o país ouviu e viu foram palavras que causaram mais intranquilidade e insegurança, entre elas, a promessa de uma medicação cujo resultado ainda não está comprovado cientificamente e a ênfase de que o Covid-19 apresenta consequências mais graves para a população idosa – como se a vida delas valesse menos do que a vida das pessoas mais jovens.

A chamada para que as pessoas deixem a quarentena segue na contramão das políticas assumidas pelo conjunto dos países e dos governadores e prefeitos brasileiros que realmente estão preocupados em evitar que o vírus se propague.

Como Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC), expressamos nossa profunda preocupação com a insegurança instalada em nosso país e com a falta de orientação e coordenação política desta crise.

Não podemos deixar de mencionar os equívocos em relação à política econômica, que tem priorizado bancos e o setor financeiro em detrimento das políticas de amparo às pessoas pobres, trabalhadores e trabalhadoras.

Compreendemos que toda a ciência acumulada e a coordenação da inteligência coletiva global em torno da luta contra o novo coronavírus constitui uma ação solidária e responsável da ciência e dos governos frente à humanidade.

No entanto, a autoridade máxima do país parece se valer do nome de Deus, de forma farisaica, para justificar sua irresponsabilidade frente à propagação da pandemia.

Conclamamos para que nossas igrejas-membro sigam com suas atividades presenciais suspensas, conforme as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Conselho Mundial de Igrejas (CMI).

O amor de Deus exige que cuidemos e zelemos pelo bem-estar das pessoas. Neste momento, sejamos vozes de consolo, de afeto e de afirmação de que todas as vidas importam.

Lembremos que a sabedoria das pessoas anciãs é bíblica. São elas que nos orientam nos primeiros passos da fé. Por isso, temos o dever de protegê-las e devemos dizer que suas vidas são importantes e fundamentais.

Kyrie Eleison!
Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil

2020-04-03T13:43:42-03:00

Deixe um Comentário