Jesus votaria? (parte 9) por Vanin Martins

Nesta penúltima reflexão da série JESUS VOTARIA quero deixar claro que nunca me filiei a partido algum. Não defendo “partido”. Defendo a unidade e defendo a proposta que a meu ver contribuirá melhor para a UNIDADE de todos em defesa de TODOS.

Esta busca da UNIDADE, PAI QUE TODOS SEJAM UM foi a vontade motivadora de Jesus. Jesus ao vir fez uma escolha: OS EMPOBRECIDOS E OS PECADORES. Procuro ver quais das propostas atenderão melhor esta escolha que Jesus fez. Nesta escolha JESUS foge do modelo moralista, individualista, egoísta e triunfalista de seu tempo.

Outros grandes valores que Jesus revelou foram a paixão pela paz, pelo perdão, pelo respeito, pela tolerância e pela partilha. Em quais das propostas percebo melhor estes valores?

E Jesus também conclamava para que todos procurassem em primeiro lugar a JUSTIÇA e assim acontecerá o seu reino.

No seguimento dos passos de JESUS só a verdade LIBERTARÁ. Nada se imporá pela mentira ou violência.

Não são as escolhas diferentes de muitos amigos que me farão silenciar. Ficarei feliz se precisar dar as mãos à palmatória. Ficarei sempre na espera da construção da unidade para construir um BRASIL de irmãos. Quero ainda ver a renda melhor partilhada.

Mais ainda quero ver aplicado e defendido pela justiça, pelos legisladores, pelo executivo e pelo POVO o ARTIGO 7º. Da CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA:

“São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:

I – relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei complementar, que preverá indenização compensatória, dentre outros direitos;

II – seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário;

III – fundo de garantia do tempo de serviço;

IV – salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender às suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim;…

e todos os demais incisos.

Negar este direito ao trabalhador e deixar de lutar por ele é a maior corrupção que fere a própria constituição.

No atual momento quem mais defende este artigo da própria constituição?

Padre José Vanin Martins 

2018-10-22T10:01:41+00:00

Deixe um Comentário