O acolhimento das equipes de serviço garante a qualidade do Curso

CV2018_acolhida_01Fazendo um balanço sobre o Curso de Verão 2018, há um grande número de novos participantes, jovens em sua maioria. A equipe de comunicação visitou as diversas equipes de serviço, que cuidam da organização do Curso, e colheu depoimentos dos seus dirigentes.

“Nós temos um grande número de pessoas que vêm pela primeira vez. Estão participando ativamente das tendas, de todas as atividades propostas. Realmente foi um espaço de muito debate. E eles estão gostando muito dos temas tratados lá no TUCA”, revela Lourdes de Fátima Paschoaletto Possani, mais conhecida como Lurdinha e que faz parte da equipe de Coordenação.

Nesse espaço também colabora Mariângela Palma, que fala sobre a forma de trabalho. “Nós temos uma união muito forte. Todas as pessoas se ajudam mutuamente. A paixão que temos pelo projeto do Curso de Verão compensa qualquer cansaço”. Gerneide Leal, a Gê, está em seu segundo ano na Coordenação e conta: “Acho que a gente vem aqui e bebe de uma fonte inesgotável. As avaliações são bem positivas”.

Para garantir a alimentação do público, Valter Ceccheti fala sobre o que é servido. “Nós temos um padrão. Preparamos o lanche da manhã, quando o pessoal sai do TUCA e vem para as tendas. É um sanduíche e uma fruta, que se resume a banana ou laranja. Sanduíche nós revezamos, um dia algum derivado de carne, no outro, queijo prato ou mussarela”.

Também há a hospedagem, e quem relata a emoção de recepcionar o público é o voluntário William Pinheiro. “É um momento de reflexão muito grande, de partilha e tudo mais. É muito gratificante você receber esse carinho das pessoas”.

Benedita das Neves, a Benê, do setor de Bem-Estar, é quem prepara o chá, bastante procurado. “Eles [o público] falam que vem pelo cheiro, porque tem aquele cheiro gostoso do chá. E a gente fica conhecendo a todos. É uma experiência ótima!”.

Na sala ao lado, para quem deseja relaxar um pouco mais, existe a terapia de reiki. “O retorno para eles [monitores] está sendo muito bom, ajuda bastante. Eles saem daqui satisfeitos. O reiki é energia vital”, é o que diz a terapeuta Lúcia Elisa dos Santos.

Na sala de Mística, o grupo de animação conta com a atriz Zezinha Menezes, pernambucana da cidade de Igarassu, atualmente radicada em Milão, Itália. Aos jovens que frequentam suas aulas, ela aconselha: “É preciso estudar, agitar a juventude, pra tomar consciência cada vez mais sobre política, da transformação do mundo em que vive”.

Outro pernambucano que cuida da parte musical do Curso de Verão é Rubens Pita. Ele descreve sua função no evento: “Eu me preparo conversando com meus colegas de tenda, os outros monitores. Pensamos em músicas que se encaixem no tema, e que possam marcar a vida dos cursistas… E aqui no forró a gente vê que o pessoal vem animado”.

Na secretaria, o membro da equipe executiva do CESEEP, Marco Aurélio de Souza, avalia o que observou nos últimos dias: “Aqui é o primeiro local que as pessoas passam. Daqui, nós perguntamos de onde a pessoa vem. Verificamos se já fez o pagamento [da inscrição], se ela quer comprar o ticket alimentação. Depois eles vão para as outras salas e aí pegam suas pastas e crachás. A equipe trabalhou de maneira harmoniosa. Foi um verdadeiro mutirão”.

E por fim, há o cadastro dos participantes, o chamado Banco de Dados. E a responsável por isso é Veridiana Santana. Ela justifica sua atividade desempenhada: “Estou na parte de cuidar do Banco de Dados, do certificado, essas coisas. E aqui tem esse intercâmbio entre lugares, pessoas. No total são 308 participantes. E hoje São Paulo é o estado com mais inscritos”.

 

2018-07-12T21:54:08+00:00

Deixe um Comentário