Mensagem às comunidades eclesiais de base

Traga a bandeira de luta, deixa a bandeira passar.
Esta é a nossa conduta, vamos unir pra mudar.

Pedro Cidadão, de Cáceres – MT

A diocese de Rondonópolis/Guiratinga – MT acolheu, nos dias 5 a 8 de julho de 2018, a primeira reunião da Ampliada Nacional das CEBs para preparar o 15º Intereclesial em 2022 e refletir sobre a caminhada das Comunidades Eclesiais de Base do Brasil.

Participaram desta reunião articuladores e assessores dos 18 Regionais da CNBB, o bispo referencial das CEBs, Dom Giovane de Melo, o presidente do Regional Oeste 2, Dom Neri José, o arcebispo de Londrina-PR, Dom Geremias Steinmetz, o bispo anfitrião, Dom Juventino Kestering, a equipe colegiada de assessoria nacional, representante do Conselho Indigenista Missionário- CIMI, Conselho Nacional do laicato no Brasil – CNLB, da Articulação Latino-americana, o secretariado do 14º Intereclesial e convidados da diocese que irão assumir o secretariado executivo do 15º Intereclesial.

Fomos acolhidos por Dom Juventino com estas sábias palavras: que as CEBs do Brasil saibam retirar deste chão dos Bororo a força sagrada que mantêm acessa pemega, a capacidade do acolhimento e do bem querer.

Fizemos nossa parada no Poço de Isaque (Gênesis 26,15-25) diante do qual recebemos a seguinte advertência: “Agora Javé nos deu campo livre para prosperarmos pela terra.”

Este conselho quer sinalizar a missão das CEBs em abrir novos poços, diante da desafiante realidade brasileira, a partir da Igreja local que nos acolhe, em Rondonópolis, esta bela cidade no estado do Mato Grosso, a 228 km da capital Cuiabá, com 222.316 habitantes.

O estado do Mato Grosso tem 3,5 milhões de habitantes, dos quais, a terça parte habita em apenas cinco cidades. Por isso é classificado como um campo cheio de grãos e vazio de gente. (Vaillant). Terra de contradição, invadida pelo agronegócio, o maior produtor de grãos do Brasil e possui o maior rebanho bovino, totalizando 35 milhões de cabeça.

Doutro lado, resistem, com sua rica diversidade cultural, mais de 40 povos indígenas, comunidades quilombolas, ribeirinhos, agricultores familiares, povos amazônidas, do cerrado, pantaneiros, migrantes e movimentos populares no campo e na cidade.

O desafio de abrirmos novos poços levou-nos a contemplar este chão mato-grossense, berço de tantas CEBs, terra de missão e de martírio, cujo símbolo maior é o bispo missionário, profeta e poeta Pedro Casaldáliga, dos quais emana um testemunho de fidelidade ao seguimento de Jesus de Nazaré e da causa pela qual deu sua vida.

Nestes dias, avaliamos o 14º Intereclesial e seus desafios, conscientes de que o 15º Intereclesial que acontecerá nos dias 19 a 23 de julho de 2022, iluminará a caminhada das CEBs.

Avaliamos e repensamos o papel da Ampliada Nacional, em sua missão de articular, animar e capacitar a vida das CEBs do Brasil, na construção de uma Igreja pobre e dos pobres, profética, em saída, comprometida com as periferias geográficas e existenciais e em sintonia com o Sínodo para a Amazônia, convocado pelo Papa Francisco a se realizar em 2019.

Conclamamos as CEBs a estarem em sintonia com estes grandes acontecimentos eclesiais que muito significarão para a construção de uma sociedade do bem viver – bem conviver.

Rondonópolis-MT, 08 de julho de 2018.

2018-08-06T14:47:35+00:00

Deixe um Comentário